Rocha defende articulação de políticas e mais recursos para a segurança pública


“A droga e o armamento que alimentam o crime e fazem com que as organizações criminosas se fortaleçam passam pelas nossas fronteiras secas, todas desguarnecidas”, alerta o tucano.

Números do Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que o assassinato de policiais chegou, só em 2016, a 437 casos. Durante participação no programa Câmara Debate, da TV Câmara (assista a íntegra abaixo), o deputado Rocha (AC) traçou um panorama da crise na segurança em todo país e enumerou possíveis soluções para o problema.

Major da Polícia Militar, Rocha explicou que vários fatores têm contribuído para o agravamento da crise. Conforme apontou, enquanto o crime se organiza, o Estado se torna mais desorganizado. Ou seja, faltam planejamento e articulação.

Reproduzir

O tucano destaca ainda pontos negativos como legislação que favorecem a impunidade, falta de valorização dos profissionais da segurança e ausência de amparo do Estado. Segundo ele, esses problemas fizeram com que o cargo de policial seja praticamente uma sentença de morte em alguns estados. “É uma guerra declarada”, lamentou.

Rocha destacou a falta de planejamento na área de segurança pública, que começa com a falta de proteção das fronteiras. “A droga e o armamento que alimentam o crime e fazem com que as organizações criminosas se fortaleçam passam pelas nossas fronteiras secas, todas desguarnecidas. Não há preocupação com isso. Seria mais fácil combater a droga que passa pela fronteira em pacotes do que depois de fracionada nas cidades. É um total descontrole de áreas vitais”, apontou.

O tucano ainda chamou atenção para o déficit de efetivo. “Não dá para se combater a criminalidade, que está cada vez mais forte, com o efetivo de dez anos atrás. É preciso planejar e ter a segurança como um de nossos pilares. Educação e segurança têm verbas carimbadas para elas. Já a segurança tem que mendigar recursos.”

Rocha ressaltou ainda a falta de um comando nacional, como um ministério, para estabelecer uma política para o setor. “O maior problema vivenciado pelos brasileiros é a insegurança. As atribuições do Ministério da Justiça já são muito grandes. Temos que ter um ministério para coordenar as ações de segurança no Brasil”, explicou.

De acordo com o deputado, muitas vezes os sistemas de inteligência das polícias civil, militar e federal não se comunicam. Às vezes, um crime que acontece em um estado e passa para outro não tem continuidade de investigação porque falta alguém ou algum órgão para coordenar ações. Enquanto isso, reforça, as organizações criminosas não respeitam fronteiras.

Rocha defende ainda um sistema único de segurança com recursos carimbados e ações para o setor, a exemplo da saúde. Em sua avaliação, é impossível acabar com a sensação de insegurança enfrentada pela sociedade sem que haja dinheiro investido na área.

Ao defender a valorização dos policiais, o deputado ressaltou que não se trata apenas de bons salários, mas também de condições de trabalho e até mesmo de moradia. O tucano sugere linhas de crédito habitacional para os profissionais, já que a maioria deles combate o crime, mas tem como vizinhos os próprios criminosos. “Fora as inúmeras dificuldades que enfrentam, como falta de treinamento, de equipamentos – até mesmo de coletes, armamentos ultrapassados. Outra coisa que precisamos rever é a questão da legislação, hoje muito benevolente com quem mata um policial”, apontou.

Rocha chamou atenção para o perigo das drogas na segurança. “O que precisamos definitivamente em relação às drogas é rever a questão das fronteiras. É a droga que entra pela fronteira do Acre, Rondônia, Amazonas, entre outros, que está promovendo a guerra no Rio de Janeiro”, concluiu o deputado do PSDB.

Assista a íntegra do programa com a participação do tucano:

(Reportagem: Djan Moreno/ Foto: Alexssandro Loyola)

Compartilhe:
14 novembro, 2017 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *