Tucanos destacam aumento de pena para motorista que matar sob efeito de álcool


Deputados do PSDB destacaram a aprovação do aumento de pena pelo homicídio culposo cometido por motorista sob efeito de álcool, objeto do Projeto de Lei 5568/13, da deputada Keiko Ota (PSB-SP). A emenda aprovada, segundo parecer favorável do relator, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), passa para 5 a 8 anos a pena de reclusão para esse crime. A matéria irá à sanção.

O deputado Vanderlei Macris (SP) parabenizou a deputada Keiko Ota e o deputado Hugo Leal (PSB-RJ), relator da matéria, pelo empenho desde o início da tramitação da proposta, em 2013. O tucano ressalta que a matéria teve o apoio de famílias que foram vítimas de condutores sob efeito de álcool.

“O motorista que bebe e dirige tem a consciência de que está em condições de cometer um crime”, alertou o deputado. Macris citou relatos reunidos em comissão especial presidida por ele sobre os perigos da combinação de trânsito e bebida. Segundo o parlamentar, médicos de diferentes áreas confirmaram que o álcool reduz a acuidade visual, provoca lentidão de reflexos e comportamento de risco, além de outros problemas.

Reproduzir

O deputado Betinho Gomes (PE) afirmou que o projeto vai ajudar a salvar vidas. Ele destacou uma grave tragédia em Recife (PE) que deixou três pessoas mortas e três feridas em novembro. A família viajava pela Estrada do Arraial, quando outro carro avançou o sinal e provou a colisão. A mãe, o filho de 3 anos e a babá, que estava grávida, morreram. O exame de alcoolemia comprovou a ingestão de bebida alcoólica pelo motorista que provocou o acidente, um universitário de 25 anos.

“Esse projeto não vai recuperar a vida dessa família, mas é uma sinalização de que devemos atuar firmemente na punição daqueles que fazem uso de bebida e irresponsavelmente vão para o trânsito tirar a vida de pessoas inocentes”, declarou Betinho.

 (Da redação/ Foto: Alexssandro Loyola/Áudio: Hélio Ricardo)

Compartilhe:
6 dezembro, 2017 Banner, Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *