Cenas lamentáveis


Parlamentares condenam vandalismo em manifestação e defendem funcionamento do Legislativo

Nem as bicicletas disponíveis na Esplanada para deslocamento de brasilienses escapou da fúria de manifestantes.

Nem as bicicletas disponíveis na Esplanada para deslocamento de brasilienses escaparam da fúria de manifestantes.

Parlamentares do PSDB  criticaram duramente os atos de vandalismo ocorridos nesta quarta-feira (24) na Esplanada dos Ministérios e afirmaram que o Congresso deve reagir com trabalho. Depois de uma marcha que começou pacífica, manifestantes entraram em confronto com policiais e partiram para depredar o patrimônio público. 

O deputado Silvio Torres (SP) destacou que a maioria dos quadros do partido foi formada na defesa das liberdades democráticas. “Muitos dos principais líderes do partido viveram o período da ditadura”, recordou.  Segundo ele, a expectativa é de voltar à normalidade o quanto antes. “Aqui dentro temos a intenção é votar as matérias. A nossa ideia dar uma resposta à sociedade, mantendo o Congresso funcionando”, reiterou.

Já o deputado Domingos Sávio (MG) lembrou a recente mobilização pelo impeachment de Dilma Rousseff. “Milhões foram às ruas num protesto pacífico, ordeiro. Agora, alguns milhares liderados pelo PT vem promover a baderna, incendiar prédio público, promover a violência”, criticou em Plenário. Em discurso, fez um apelo pelo trabalho no Congresso. “A melhor maneira de dar uma resposta a tudo isso é o Congresso trabalhar. Vamos votar, vamos aprovar medidas provisórias necessárias e, é claro, melhorar este país, combatendo a corrupção e colocando o Brasil nos trilhos para gerar emprego e melhorar a vida do nosso povo”, disse.

Reproduzir

Segundo notícias divulgadas pela mídia, o quebra-quebra começou quando grupos mascarados começaram a provocar policiais militares, que reagiram lançando spray de pimenta, gás lacrimogênio e disparando balas de borracha. Ao final, um rastro de destruição em praticamente todos os ministérios. Até a Catedral Metropolitana e o Museu da República foram danificados. Paredes pichadas com palavras de ordem, vidraças e refletores quebrados marcaram a manifestação.  Até mesmo pasta e documentos foram retirados dos ministérios da Cultura e Meio Ambiente. 

Pelo Twitter, a deputada Geovania de Sá (SC) se disse favorável a protesto pacífico, mas “baderna não”. O deputado Betinho Gomes (PE) disse que atitudes como essa são inaceitáveis. “Nada pode ser mudado na marra e desrespeitando as leis. É preciso obedecer as normas do país”. Já o deputado Marcus Pestana (MG) se disse perplexo. “São esses que querem tomar o poder? Isso pra eles é democracia?As reformas necessárias despertam tanto ódio? O PT quer atear fogo no Brasil?”, criticou.

Os manifestantes são ligados às centrais sindicais e vieram de ônibus de várias partes do país. A PM estimou a presença de 35 mil pessoas.

(Reportagem: Ana Maria Mejia/foto: Marcelo Camargo – Agência Brasil/Áudio: Hélio Ricardo)

Compartilhe:
24 maio, 2017 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *