Trajetória inspiradora


Desembargadora Luislinda Valois é a nova ministra dos Direitos Humanos

A desembargadora Luislinda Valois tomou posse nesta sexta-feira (3) como ministra dos Direitos Humanos. A escolha é considerada excelente por parlamentares do PSDB, pois demonstra a preocupação do governo de Michel Temer em tratar as questões sociais como prioritárias. A nova ministra, filiada ao partido desde 2013, traz a experiência de desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça na Bahia e de sua atuação como secretária de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Justiça.

De acordo com o deputado Nilson Leitão (MT), o momento exige a atuação de uma pessoa com olhar humano e conhecimento jurídico. “O volume de conflitos no país é grande tanto no campo, quanto na área urbana, a exemplo dos presídios. Acredito que ela trará o equilíbrio que essas áreas necessitam”, disse.

Para o deputado Paulo Abi-Ackel (MG), a agenda dos direitos humanos é de grande interesse para a sociedade. Segundo ele, a desembargadora Luislinda Valois tem o respeito de pessoas vinculadas aos direitos humanos e também entre todo os que militam na área do Direito. “Ela é considerada uma grande autoridade, com destaque nos debates e questões técnicas relacionadas ao tema”, disse.

Reproduzir

De acordo com o parlamentar, a participação da ministra trará avanços na discussão de acordos internacionais, especialmente os que exijam ajuda humanitária entre países. Ele cita as questões decorrentes dos fluxos migratórios nos continentes, na América do Sul e, mais especificamente, no Brasil.

Ao falar dos Direitos Humanos, o presidente Michel Temer disse que a questão aflige a todos neste momento, tanto no Brasil, quanto no âmbito internacional. Entre as preocupações, ele citou a situação dos refugiados de guerra e o direito das minorias. “Luislinda tem farta experiência em atividades relacionadas à cidadania, como igualdade racial, portadores de deficiência, da criança, do adolescente e dos idosos”.

A nova ministra reiterou seu compromisso para que os direitos humanos tenham lugar de destaque nas políticas do governo, em vez de serem relegados ao segundo plano, como foram durante os 13 anos de gestão petista.

Emocionada, ela lembrou a origem humilde: filha de uma lavadeira e de um motorneiro de bonde que busca ser competente, dedicada. “Não jogo a oportunidade fora. Com essa nomeação, vou cumprir minha missão com a competência e a dedicação que sempre levei adiante no meu viver. Meus pais me disseram ‘competência, honestidade e caráter andam juntos’, e eu não me afasto desses três itens”.

Perfil

Natural de Salvador, Luislinda Dias de Valois Santos se tornou, em 1984, a primeira mulher negra do Brasil a alcançar o cargo de juíza. Em dezembro de 2011 foi promovida ao cargo de desembargadora. Já aposentada ela tomou posse na Academia de Letras José de Alencar, em Curitiba (PR). Ocupa a cadeira de nº 6. Também recebeu o título de embaixadora da paz da Organização das Nações Unidas, em 2012. Ela é autora dos livros “O negro no século 21” e “Negros pensadores do Brasil”.

No mesmo evento, o presidente Temer empossou Antonio Imbassahy na Secretaria de Governo e o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes. A pasta teve o nome alterado e as funções ampliadas. Agora passa a se chamar Ministério da Justiça e da Segurança Pública.

(Ana Maria Mejia/ Foto: Alexssandro Loyola/ Áudio: Hélio Ricardo)

Compartilhe:
3 fevereiro, 2017 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *