Passou da hora de sair...


Deputados vão à PGR e alertam sobre riscos da permanência de Cunha na Presidência

Domingos Sávio (MG) e Betinho (PE) representaram o PSDB na reunião.

Domingos Sávio (MG) e Betinho (PE) representaram o PSDB na reunião. Deputados foram recebidos pelo chefe de gabinete do PGR.

Representantes de seis partidos que participam de um movimento suprapartidário pelo afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entregaram nesta quarta-feira (25) à  Procuradoria-Geral da República documento que traz uma série de informações sobre os riscos da permanência dele no cargo. Os deputados alegam que Cunha pode inviabilizar ou dificultar as investigações da Operação Lava Jato, além de boicotar a análise de processo no Conselho de Ética da Casa.

“Ele está imbuído da vontade, do ânimo, da determinação inabalável de valer-se do cargo de Presidente da Câmara para impedir a tramitação de um processo disciplinar contra si”, diz trecho do documento (leia a íntegra). Para os deputados, o comportamento de Cunha indica sua disposição de se aproveitar de sua posição para rechaçar medidas investigativas. Assinam a petição integrantes do PSDB, PSB, PPS, Rede, PSol e PPS.

Um dos tucanos que foram à PGR, o deputado Betinho (PE) manifestou expectativa positiva de uma ação do procurador junto ao STF a partir dos fatos relatados na representação. Segundo ele, ficou clara a solidez dos argumentos levados ao Ministério Público, mostrando fatos concretos que envolvem manipulação, abuso de poder e tentativa de impedir o funcionamento do Conselho  de Ética.

“Esperamos que o procurador analise rapidamente esta petição para que a Casa possa ter um ritmo normal e para que as decisões sejam tomadas com base no regimento, e não na interferência de quem está comandando a presidência da Câmara”, destacou.

Também presente, o deputado Domingos Sávio (MG) destacou um dos aspectos que mostram como o presidente da Câmara age em interesse próprio: a retirada da possibilidade de o parlamentar entrar em obstrução caso o seu partido não oriente neste sentido.

“O PSDB tem uma posição clara pela saída de Eduardo Cunha. Tem deputados que são da base e da oposição que defendem isso. Ele tenta, manipulando o regimento, cercear a liberdade de manifestação dos deputados”, declarou. Para o tucano, Cunha “faz mal ao país e à instituição”. “O partido vai até o fim na luta pelo afastamento dele da presidência da Casa”, reforçou.

CONSELHO DE ÉTICA ATROPELADO NO DIA 19/11

Na última quinta-feira (19), Cunha recorreu a manobras para evitar a leitura do relatório do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) no Conselho de Ética. O presidente abriu a Ordem do Dia antes das 11h, horário incomum, e não respeitou o quórum mínimo de 257 parlamentares. Com a abertura da sessão, as reuniões das comissões foram inviabilizadas. Eduardo Cunha deixou a Mesa, dando lugar ao deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), que cancelou a sessão do conselho.

“O encadeamento perfeito dos eventos descritos, e o resultado negativo que tiveram sobre o funcionamento do Conselho de Ética, demonstram que houve o uso dos poderes da Presidência para inviabilizar o funcionamento do Conselho pelo máximo de tempo possível”, explicam os parlamentares no texto entregue à PGR.

Segundo os deputados, não se pode negligenciar a possibilidade de utilização, por carte do peemedebista, de seus canais como presidente da Casa para buscar a supressão de provas e obstrução dos trabalhos investigativos na Suíça, onde haveria contas em seu nome. Também existe preocupação com a possível influência de Cunha na esfera penal. Após detalhar os acontecimentos, os parlamentares recomendam exame cuidadoso do cabimento de medidas cautelares para impedir a permanência do deputado na presidência.

(Reportagem: Marcos Côrtes e Elisa Tecles/foto: Antonio Augusto – PGR)

Compartilhe:
25 novembro, 2015 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *