Ajuda a imigrantes


Deputados acatam moção de solidariedade ao Japão e cobram apoio a dekasseguis

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara aprovou nesta quarta-feira (16) moção de solidariedade ao povo japonês apresentada pelo presidente do colegiado, deputado Carlos Alberto Leréia (GO). Durante a votação do requerimento do tucano, os parlamentares destacaram a necessidade de ações concretas do Itamaraty para auxiliar os brasileiros que vivem no Japão, inclusive àqueles que queiram retornar ao Brasil. O país asiático foi atingido no último dia 11 por um terremoto que afetou a costa nordeste, causando um tsunami que devastou cidades inteiras. Mais de 3,3 mil pessoas morreram em pelo menos 12 localidades.

O deputado colocou a comissão à disposição para contribuir, da maneira que for possível, com os moradores das regiões afetadas. O parlamentar destacou ainda que, além das perdas humanas, o Japão enfrenta problemas de abastecimento de mantimentos e produtos básicos e risco de contaminação nuclear.

“As palavras chegam a ser desnecessárias diante das imagens que temos visto pela TV”, afirmou Leréia. O tucano destacou que existem cerca de 260 mil brasileiros morando naquele país. “Além disso, temos no Brasil a maior colônia de japoneses e descendentes fora do Japão: aproximadamente um milhão de pessoas”, ressaltou o presidente do colegiado.

Os deputados Eduardo Azeredo (MG) e Antonio Carlos Mendes Thame (SP) defenderam medidas e ações do Itamaraty em prol dos brasileiros afetados pela catástrofe. De acordo com os tucanos, é necessário que o governo brasileiro, por meio da Embaixada no Japão, auxilie as vítimas com os instrumentos necessários para sua locomoção para áreas seguras e com itens  básicos para sobrevivência. Segundo os parlamentares, é importante que todos saibam as providências que estão sendo adotadas.

“A relação Brasil-Japão é muito próxima e por isso temos que estimular nosso governo a acompanhar de perto todas as medidas de solidariedade e, sobretudo, de apoio aos brasileiros que queiram retornar, principalmente por causa do receio de contaminação nuclear”, destacou Azeredo.

Reproduzir
baixe aqui

(Reportagem: Djan Moreno/Foto: Agência Câmara/Áudio: Elyvio Blower)

Compartilhe:
16 março, 2011 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *