Impasse federal


Governo prejudica trabalhador quando adia decisão sobre valor do salário mínimo, alerta Vaz de Lima

O governo federal começa a criar dificuldades para depois vender facilidade. Essa é a avaliação do deputado Vaz de Lima (SP) diante das idas e vindas na posição do Palácio do Planalto em relação ao valor do salário mínimo e a correção da tabela do imposto de renda. De acordo com o jornal “O Estado de S. Paulo”, Executivo e sindicalistas recuaram em suas posições na busca de um acordo sobre os dois temas.

Depois de negar que houvessem estudos para corrigir o imposto, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, acenou com um reajuste. Já o deputado e presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), admitiu que, para garantir um mínimo maior, aceitaria antecipar parte do reajuste programado para 2012. No final do ano passado, o governo havia sugerido essa fórmula, mas o sindicalista foi contra a proposta de Lula.

De acordo com a reportagem do “Estadão”, nos bastidores, o governo já admite que o mínimo deverá ficar em R$ 550 e a tabela será corrigida em 4,5%. Porém, segundo a matéria, essas decisões não serão tomadas agora e irão à mesa de negociação conforme o tema evoluir no Congresso. Para o tucano, basta a presidente Dilma “cortar gastos e o cabide de empregos dos companheiros de partido que o governo terá dinheiro suficiente para conceder um mínimo de R$ 600, como defende o PSDB”.

“Se o governo já está recuando na posição é porque há recurso para o aumento. É muito ruim o governo fazer isso, pois começou a leiloar essa questão sem levar em conta as vidas dos trabalhadores e aposentados”, criticou Vaz de Lima.

Para a Força Sindical, a tabela da Receita Federal congelada está retirando dos trabalhadores os ganhos salariais conquistados no ano passado. Por isso, defendem que as faixas de recolhimento do IR sejam elevadas em 6,46%. O deputado concorda com essa posição, pois acredita que o congelamento da tabela dificulta ainda mais a vida do trabalhador brasileiro.

“Toda vez que você não corrige a tabela está tributando o trabalhador. Então, o PSDB vai lutar para que haja correção não só de um ano, mas de todos os anos anteriores que a tabela não foi corrigida. Desta forma, o governo está penalizando exatamente quem trabalha”, avaliou.

Reproduzir
baixe aqui

(Reportagem:Artur Filho/Foto: Paula Sholl/Áudio: Elyvio Blower)

Leia também:

Economia é prejudicada enquanto Dilma não consegue se entender com ministros, alerta Kaefer

Compartilhe:
3 fevereiro, 2011 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *