Ações só no cartório


Balanço de Lula com medidas contra desastres foi enganação, diz senadora

A senadora Lúcia Vânia (GO) afirmou nesta quarta-feira (19) que o balanço registrado em cartório contendo ações de prevenção contra desastres naturais não passou de mais uma “enganação” do ex-presidente Lula. Segundo a tucana, se de fato a administração do PT tivesse feito tudo que está no documento não teriam ocorrido tantas mortes no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais nas últimas semanas por causa das fortes chuvas. “Esse é o reflexo desta gestão sem planejamento e que não se preocupou com os resultados dos investimentos”, criticou.

A papelada oficial do governo que acabou recentemente lista várias ações supostamente tomadas nos últimos anos, mas que pelo jeito não provocaram os efeitos desejados. Segundo o documento, foram realizadas 504 obras de engenharia em locais de risco de inundações, deslizamentos e desabamentos. Além disso, teriam sido criados 190 núcleos da Defesa Civil em todas as regiões do Brasil, com apoio de 4.300 municípios. O levantamento acrescenta ainda que nos 531 cursos de defesa civil feitos em todo o Brasil,  32 mil agentes foram capacitados. O relatório aponta também que entre 2003 a 2010 mais de 12 mil pedidos de situação de emergência ou estado de calamidade pública foram reconhecidos pelo governo federal.

Reproduzir
baixe aqui


Para a senadora, o Congresso precisa acompanhar mais de perto a execução dos recursos federais para que a população não seja enganada novamente. “ Acredito que a Comissão de Orçamento tem que ser reestruturada para que possamos fiscalizar com mais eficiência o desembolso dos recursos públicos nesta área”, afirmou.

O documento do governo federal também informa que houve investimento na prevenção por meio de ações realizadas pelos órgãos federais. No papel, a gestão do Executivo parece perfeita e sem falhas. Entre outras medidas citadas, estão a expedição de alertas diários aos estados, investimento na rede de meteorologia para aumentar as taxas de acerto das previsões, mapeamento de áreas inundáveis e implementação de sistemas de previsão e alerta de cheias em algumas bacias.

Segundo Lúcia Vânia, na realidade a Defesa Civil não tem uma atuação preventiva. “É sabido que a Defesa Civil tem ao longo desse tempo todo agido em cima das consequências e não das causas. A prevenção não é feita. É muito duro ver a quantidade de pessoas que perderam a vida em função dessa falta de responsabilidade com o dinheiro público e com os programas e projetos que poderiam amenizar esses efeitos”, avaliou.

(Reportagem: Artur Filho/Foto: Eduardo Lacerda/Áudio: Elyvio Blower)

Compartilhe:
19 janeiro, 2011 Últimas notícias 4 Commentários »

4 respostas para “Ações só no cartório”

  1. Sidnei Augusto disse:

    Segundo Lúcia Vânia, na realidade a Defesa Civil não tem uma atuação preventiva. “É sabido que a Defesa Civil tem ao longo desse tempo todo agido em cima das consequências e não das causas. A prevenção não é feita. É muito duro ver a quantidade de pessoas que perderam a vida em função dessa falta de responsabilidade com o dinheiro público e com os programas e projetos que poderiam amenizar esses efeitos”, avaliou.

    Concordo plenamente . a falta de entrosamento e de foco do setor de Defesa Civil é marcante só se fala do problema após a tragédia , faço parte de ONG que anualmente elabora seminario sÇobre o assunto vide site ABEPPOLAR entidade que no rasil representa a IUAPPA, torna-se folcõrica a figura da Defesa Civil, isto é só lembrado depois do acontecido nunca antes nada de ações preventicas orientada pela boa norma e boa técnica , capacidade técnica para isto temos , só basta os politicos ouvirem mais os técnicos
    vamos verificar com tristesa o que acontecerá após as chuvas de 2012….

  2. Angelo de Oliveira Filho disse:

    Concordo mesmo com a Senadora. Lula foi uma enganação para o Brasil.

  3. Marcos Ribeiro disse:

    Continuar com este governo que está ai é um risco de vida, porque se existe uma coisa que os petista são tremendamente competentes é na enganação e mentiras. É um governo que adota uma política que a vitima é a culpada. Prevenir para que, se apesar do custo dos danos causados ser 14 vezes maior, é melhor deixar acontecer, para se aproveitar do sofrimento das pessoas para fazer políticas demagorgicas com a promessa da ajuda até a próxima catastrofe. O povo tem a memória curta, mesmo!!!

  4. Anônio Carlos de Araújo disse:

    Pois é Senadora, o que nós – PSDB, partidos coligados e cidadãos de bem – vamos fazer pra mudar este quadro?

    Vamos de novo ficar sentados na arquibancada e assistir os erros dos jogadores e só lembrarmos que quem escala o time de piqueteiros e petralheiros para jogar durante 4 anos só entra em campo uma vez a cada 4 anos? Estou falando do povão – a marionete do PT nos últimos 12 anos.
    Penso que está na hora de colocarmos esta gente para apitar o jogo juntamente com a oposição e a sociedade civil organizada, pois na hora do veredito das urnas será mais facil expulsar estes jogadores do campo de jogo e colocar quem achamos que será mais capaz.

    Venho aqui sistematicamente, e sempre que posso comento sobre a necessidade urgene e premente da Oposição criar um canal de comunicação com o povão, para assim mostrar a ele que esta gente é “GENTE QUE MENTE” e que na realidade o último presidente, navegando na onda do populismo, era mais trololó do que ação efetiva. Mas como o povão é massa de manobra na mão do PT é fácil de ser enganado ele saiu com este alto índice de aprovação e ainda fez sua sucessora. É preciso desmistificar esta gente e o único jeito é estabelecer um link com quem elege – a massa.

    Espero de verdade que a oposição, e principalmente o PSDB como o maior partido da oposição tome atitudes realistas pra mudar este quadro e isto tem que começar logo com uma reestruturação do partido. Reestruturar não significa descaracterizar os objetivo e missão do partido. É mexer na sua estrutura nacional visando capilarizar os canais existentes e criar novos canais, de tal forma que o povo seja informado do que está ocorrendo no dia a dia do governo e orientá-lo na sua decisão ao votar. Esta capilarização o PT sempre teve inclusive quando era oposição, através das centrais sindicais e do que eles chamam de “movimentos sociais”.

    Onde neste pais não tem um serviço público? Estou falando de banco, serviço de distribuição de energia elétrica, um hospital, um posto do correio, etc. Todos estes marcos são instrumentos eleitoreiro do PT e elles trabalham na pré-campanha durante 3,5 anos explorando estes pontos de ancoragem com o povão. Nos últimos 6 meses elles consolidam a vitória.

    Não podemos deixar pra decidir sobre trocar ou não trocar o time no ultimo minuto do jogo. No último minuto do jogo é hora de ação, é hora de ganhar o jogo. Já vimos que o nosso comportamento não ganha jogo. Temos que aprender com os últimos tres jogos 2002, 2006 e 2010.

    Vamos por o nosso time em campo já!!!!

    Grande abraço aos meus colegas simpatizantes do PSDB.

    Antônio Carlos de Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *