Negócio polêmico


Macris vai requisitar ao TCU informações sobre negociações da Petrobras com empresa portuguesa

O deputado Vanderlei Macris (SP) afirmou nesta quarta-feira (12) que apresentará requerimento de informação ao Tribunal de Contas da União (TCU) para saber quanto a dívida da Petrobras poderá aumentar caso a estatal efetue a compra de 33,3% das ações da empresa portuguesa Galp.  A polêmica começou quando o ex-presidente Lula firmou acordo com o primeiro-ministro português, José Sócrates, para exploração das águas do campo de Tupi (ou campo de Lula, como a Petrobras o rebatizou e líderes do PSDB repudiaram a decisão). O acordo foi reafirmado pela presidente Dilma e também representa a entrada da estatal brasileira no comando da Galp, hoje controlada por italianos e angolanos.

Segundo reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, se a empresa brasileira comprar as ações dos italianos (cerca de R$ 8,7 bi), como deseja o governo brasileiro, pode sair ainda mais endividada do que já está. E pior: o negócio poderá ser feito em um momento em que ainda tenta recuperar credibilidade no mercado depois do conflito com acionistas minoritários por causa da megaoferta de ações ocorrida em outubro.

Reproduzir
baixe aqui

Com investimentos de US$ 224 bilhões até 2014, a Petrobras não conseguirá gerar caixa suficiente para pagar suas despesas, de acordo com a “Folha”. Até hoje as ações da empresa não recuperaram o patamar anterior ao anúncio da oferta de ações do ano passado, a maior já feita no mundo, para levantar R$ 120 bilhões.

“É importante que tenhamos informações mais detalhadas para que seja esclarecido se esse processo pode, de fato, endividar ainda mais a Petrobras. Vamos agir como oposição responsável e mostrar ao país a necessidade de que esses números venham à tona e se tome conhecimento das decisões que estão sendo tomadas sem responsabilidade”, justificou o tucano. O requerimento deve ser apresentado no retorno das atividades parlamentares da Câmara, em fevereiro.

Desde o início de 2010, os papéis PN (sem voto) recuaram 23,3%. Contudo, a venda de ações permitiu à empresa reduzir o endividamento de 34% para 16% do patrimônio. A dívida só pode chegar até 35%. Caso a empresa ultrapasse esse limite na relação entre as dívidas e o patrimônio, poderá perder a classificação de grau de investimento das agências e não poderá receber mais investimetnos de grandes fundos internacionais.  Analistas afirmam que a estatal poderia elevar seu endividamento para chegar ao preço pedido pelos italianos. Mas, segundo a “Folha”, a empresa não quer assumir o risco de pagar caro por ter cedido apenas a pressões do governo federal.

Para Macris, é necessário cautela para se realizar um negócio desse porte. Segundo o parlamentar, o momento não é propício e a Petrobras agirá corretamente se não ceder às pressões políticas. “O presidente Lula fez uma série de traquinagens na fase final de seu governo e essa é mais uma delas. Sua atitude leva o país a ter problemas e mostra claramente que não há nenhum compromisso com a austeridade”, criticou.  “O pré-sal ainda é algo em estudo e já está motivando gastos acima do necessário e provocando uma instabilidade nas contas da empresa. Decisões como essa são apressadas, sem o mínimo de responsabilidade com o que poderá acontecer no futuro”, acrescentou. (Reportagem: Djan Moreno/Foto: Eduardo Lacerda/Áudio: Elyvio Blower)

Compartilhe:
12 janeiro, 2011 Últimas notícias Sem commentários »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *