Promessa terceirizada


Governo foi irresponsável ao prometer computadores para alunos da rede pública, condena Otavio Leite

O deputado Otavio Leite (RJ) demonstrou indignação nesta terça-feira (28) com o anúncio do presidente Lula de que não cumprirá a meta de garantir um computador para cada aluno da rede pública. O petista irá “terceirizar” para os governos estaduais e prefeituras o compromisso assumido por ele em 2006. Ontem (27), o Planalto anunciou a criação de uma linha de crédito concedida a estados e municípios pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) com limite de compra correspondente a 25% do total de alunos da rede pública. Ou seja, apenas um quarto da meta original.

Na avaliação do tucano, esse é mais um ponto em que o discurso presidencial se distanciou completamente da prática. “Se quatro anos atrás o governo veio a público com pompa e circunstância anunciar que os estudantes da rede pública teriam direito a um computador nos traz indignação verificar agora que isso não aconteceu”, criticou o parlamentar.

Reproduzir
baixe aqui

Segundo reportagem da “Folha de S.Paulo”, Lula assumiu, em 2006, o compromisso do projeto “Um Computador por Aluno (UCA)”, no valor de US$ 100. A proposta do laptop de baixo custo foi sugerida por Nicholas Negroponte, professor do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA). Dois anos depois, o presidente acabou desistindo da ideia por considerar que ficaria caro demais instalar laboratórios de informática nas 55 mil escolas públicas do país.

Além de não cumprir a promessa, os computadores sairão mais caros do que o previsto. Na época, fabricantes já afirmavam que o preço de US$ 100 era impossível de ser atingido nas condições pedidas pelo governo federal. Ainda de acordo com a “Folha”, pela linha do BNDES, cada laptop custará R$ 344,18 (cerca de US$ 200) no Centro-Oeste, Norte e Sudeste – o valor engloba custos de entrega, garantia e instalação. No Sul e Nordeste, será ainda mais caro: R$ 376,94 (US$ 220).

Para Otavio Leite, o Planalto assumiu uma responsabilidade “gigantesca” e não conseguiu executar o prometido. “Foi uma irresponsabilidade propor algo que não era exequível. Nesse ponto de inclusão digital isso tudo não passou de mera retórica. A transferência para os estados e municípios deveria ter sido feita lá atrás porque descentralizaria e facilitaria o processo. Mas o governo quis concentrar tudo e aí deu no que deu”, condenou  o deputado, ao lamentar que o país não evoluiu como deveria na área de inclusão digital na gestão do PT. (Reportagem: Alessandra Galvão/ Foto: Eduardo Lacerda/Áudio: Elyvio Blower)

Compartilhe:
28 dezembro, 2010 Últimas notícias 2 Commentários »

2 respostas para “Promessa terceirizada”

  1. Sizuo Matsuoka disse:

    Mais uma falácia que não se torna realidade. E o incrível é que o povo se alimenta de ilusões. Até quando o povo brasileiro será enganado?

  2. Eudo Dantas disse:

    O fato foi muito bem lembrado, só que um pouco tarde. Os índices de aprovação do governo Lula, acredito, se deve a estes “esquecimentos” por parte da oposição. Tais como este, mentiroso, há dezenas de outros factóides que alavancaram o nível de aprovação deste governo, sem que houvesse qualquer inquisição dos nossos representantes. Daí, dar no que deu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *